6 de nov de 2015

A Geisy Arruda é a Marlyn Monre brasileira

Fico pensando no simbolismo ético, estético e político que representa a Geisy Arruda
Uma celebridade (pois para mim dizer pseudo celebridade quer dizer uma celebridade inteira - um tremendo fracasso)
Pseudo em grego quer dizer falso
Pois esta celebridade se criou em um pedestal mediático a partir da defesa de uma minoria contrária a este mesmo pedestal
À publicitaram em odes e cantos minoritários defendendo o direito niilista de uma mulher vadia
De fato é uma merda uma mulher virar ou vender produto com seu corpo
Enquanto o homem (a) consome
Fico pensando se nós tornássemos os homens - gostosos e pelados - em nossas propagandas de cerveja
Apaziguaria o mercado para estas mulheres?
Até acho que sim
Mas não acho que isto restauraria o dano
Tornar ao ser humano
Homem ou mulher transformados em produto
Não nos salvará
Da doutrina moral que nos programa como máquina
O ser afeto
Pois a Geisy hoje se entrega pro view americano
Pro outro ver um perverso vil, ou quase engano
Defendida em sua mini-saia
Onde a roupa curta sagra a virtude do ser mulher
Mas na célebre Geisy corrompida no que tange a linha do tecido
Uma boceta fetiche capa de um playboy
Como a sem graça da Marlyn
Fabricada por senhores bestas
Dizendo que "a besta" era seu senhor
E a Monroe repetindo a mensagem dócil (de quem tem medo)
Criando signos para o mal
Repetindo aos seguidores que a vida
É de se abusar no gozo
Espalhando uma velada escravidão
Onde a mulher livre

É a mulher aberta.

9 de set de 2015

O velho.

Estou envelhecendo.

Não escrevo mais em um blog esperando falar com alguém. Isto não é de menos valia como um tolo a afirmar sua vida pelos olhos dos outros (apesar de tolos desejarem sua afirmação ao outrem). Estou envelhecendo porque o velho é sozinho!

Continuo passando pelos mesmo lugares que tive com um póstumo entusiasmo e mesmo sabendo que o mesmo lugar é o todo, me sinto vazio. Que fez esta vida com meu corpo que não me deu retorno, não disse:

- você é isento de trabalhar o viver.

Agora me vem à mente uma frase do meu tio morto (e que morreu bem antes do acontecido) que diz "quando tu flerta com a vida a vida flerta contigo; quando tu deixa de flertar com ela, ela te abandona".

A vida do velho traz desafios para muito além de nosso cotidiano. O jovem transa no cotidiano. O jovem acha que terá muitas mulheres. Mas o fato é que para o velho só importa o tempo e não um argumento de contar a vida em nós.

Invejo qualquer ser sábio indiferente do seu tempo de idade, que olha para a realidade e planeja se matar. Ao mesmo tempo o desprezo, por este ruído cósmico intermitente em meu corpo-ouvido que grita calmamente dizendo que tudo está em seu lugar.

Maldito barulho pueiril. Que não ouvi. Que me pariu na poeira. Me fazendo olhar a estrela e desafiadoramente bravando:

-  Essa é nós.

11 de jun de 2015

El estraño

- Ele tinha defeitos tão proeminentes e relevantes que não poderia  deixar de se achar alguém interessante.